quarta-feira, outubro 05, 2005

O Maninho

Eu tenho um único irmão biológico, mas é o irmão.
Irmão de verdade não só de sangue, de letra, de mesmo pai e mesma mãe, muito mais que isso, irmão mesmo. De corpo, de alma, de vida, de copo, de chão, de sonho, de separação, irmão de ombro grande e senso humor, irmão que se pode contar, irmão-cúmplice, irmão kbção, irmão bonitão, irmãozão.
Quando éramos crianças, é claro que eu adorava pentelhar o caçulinha, e ele ficava bravo e me pentelhava também, mas se alguém era contra um nós, aí mano... Era contra os dois, até a mãe e o pai...
Não é porque dividimos a infância, as casas, os apartamentos, as bicicletas, os pais, os avós, os tios, os primos, os amigos, os gatos, os cachorros, a mesa, a televisão, os natais, as brigas, as aventuras, as culpas, os traumas, as alegrias, as tristezas e toda essa coisa de irmão que é pra sempre, é porque se eu fosse escolher, eu escolheria esse irmão, meu irmão, o maninho, que hoje completa 28 aninhos.

terça-feira, outubro 04, 2005

Tem dias

Tem dias que eu queria ser nem sei o que
Queria não me preocupar, não ter contas para pagar, nem saber o que é dinheiro
Tem dias que eu queria não estar onde estou e ser livre.
Tem dias que eu queria ser pelo menos ignorante, que eu não queria nem pensar
Tem dias que eu queria voar
E tem dias que eu não queria nem existir

Músculos